quinta-feira, 16 de junho de 2011

carta para tainá

Querida T,

Quando comecei essa carta, usei a seguinte frase: não me lembro da última vez que conversamos. Mas logo apaguei. Sabe que sou um pouco esquecida, mas nada demais. Em instantes lembrei da nossa ligação. Tão bonita como o dia que você veio ao mundo. Pequenina, de olhos clarinhos. 
Eu, em 1996 só queria brincar com bonecas e quando descobri que teria uma prima, pensei logo em uma companheira. E tive. E tenho. Desde muito cedo contei os dias para te ver. Brincamos algumas vezes de boneca. Bem poucas. Pois preferíamos ficar no meio do mato, caçando raposas, colhendo frutas, andando de bicicleta de madrugada, esperando a noite chegar com a garrafa de coca cola vazia na mão, para colecionar vagalumes. Inventando histórias, criando um mundo paralelo.
Mas essa não seria uma explicação boa para a nossa ligação. Da qual comentei no ínicio da carta. Eu queria te dizer que ando te escutando muito, que ouço a sua voz me chamando. E que recebo sim, tudo que me manda por telepatia. Principalmente abraços. Ando te mandando conforto, está chegando?
Um dia te contei sobre as pontes... mas hoje descobri que nada disso importa. POIS JUNTAS TEMOS ASAS.
Quero que saiba que meu amor por você nunca muda. Aliás, muda sim. Só aumenta. E que ontem fuçando na minha gaveta, achei um bilhete seu que me fez chorar. De saudade. Dizia mais ou menos assim: Prima, estou aqui na sua cama chorando, sentindo seu cheirinho e morrendo de saudade. Desculpa a minha letra, não estou em condições de escrever. Se um dia você ler isso, saiba que eu te amo com todas as forças existentes no mundo. E se cuida, porque se acontecer algo com você, eu morro.

É isso que digo agora.
Todas as vezes que penso em nós duas, penso no céu... e tenho certeza que nossa vida vibra na mesma frequência.
Te abraço, te dou a mão e te amo.
Um beijo das cores que gostamos, com melancia gelada, com a sua coberta que agora é minha. E com o meu coração que é nosso!


L.

3 comentários:

Laís P. disse...

Nossa, Laís, essa carta me emocionou. Sei lá, me fez pensar em tantas coisas, nas pessoas que estão longe, na saudade que a gente sente. Me fez lembrar do meu irmão, com o qual eu também era muito ligada, mas que, hoje, mora distante de mim.
Mas há sempre o carinho guardado os bilhetes que nos fazem chorar, as lembranças de um passado bonito.

Parabéns por conseguir passar, através de palavras, tanto sentimento.

Abraços!

Adriana ♣* disse...

Ehhhh!!! Quanto tempo!!!!
Que linda essa união-amor-amizade.

Bjs

Tainá Caom de Almeida disse...

Nossa... entrei no seu blog e de cara tem uma coisa pra mim. se você visse o quão brilhante meus olhos ficaram você ficaria cega de tanta luz. Eu lembro desse bilhete que te deixei há mto tempo atrás, mto mesmo! acordei sem ter você por perto para se despedir e não consegui nem me movimentar, apenas chorar. e ando assim às vezes: sem me movimentar. não me movimento como me movimento ao seu lado. ando sentindo tanto a sua falta que só Deus e você sabem. Creio que você esteja bem, esteja fazendo escolhas certas. Você sabe o que faz, é só seguir seu coração! Fiquei mto feliz de ler isso, de você pensar sempre em mim no momento em que penso em você.

É mais do que mágica. É além....
E é real.

Te amo com todas as forças existentes do mundo!